Carregando
análise › eshop 
Liberation Maiden
escrita por Gustavo Vitor Barbosa Bomfim

Antes de largar o jogador no controle de um Mecha, Liberation Maiden abre com uma cena de alta qualidade animada pela empresa japonesa BONES. Bonita como era de se esperar, mas surreal ao extremo - tanta coisa acontece nos primeiros segundos da animação que é difícil acompanhar os pedaços de uma história que tenta se formar... Você é a presidenta num Japão futurístico que luta contra um grupo chamado "The Dominion" utilizando um Mecha chamado Kamui. Algo fica claro - não é nada comum. Não é por menos, já que o jogo, um quarto da coletânea da Level-5 nomeada Guild 01, é assinado por Suda 51, a mente bizarra por trás de títulos como Killer 7, No More Heroes e Lollipop Chainsaw.



A partir daí, a ação corre quase solta até o - não tão distante - final do jogo. Decerto você será interrompido por Kira, um membro da sua equipe com quem se interage frequentemente, recebendo updates das missões e localização inimiga. Mas nada que ressalte um elemento de história - apenas diálogos contextuais (o único tipo do jogo) - a presidenta e o auxiliar são os 2 únicos personagens, e completamente dublados.

Passando por 5 estágios de regiões japonesas reimaginadas, deve-se navegar o Mecha no que parece uma mescla de Zone of the Enders com algum Rail Shooter. Sua "munição" (em 2 tipos de armamento diferente) e escudos compartilham a mesma guarnição de energia, então previne-se que ao descarregar as armas completamente sua guarda ficará aberta até a regeneração. Apesar da possível variação no combate devido a estes fatores, a maioria das missões, incluindo as secundárias, consistem praticamente em destruir tudo, independente do método. Uma única seção de quase-stealth existe e pode facilmente se transformar de volta à ação desenfreada caso o jogador falhe.



O combate então, apesar de divertido, só vai brilhar nas batalhas contra chefes. Estes são de longe os melhores momentos do jogo, onde cada desvio precisa ser específico e o strafing é realmente necessário, procurando o ponto fraco e a maneira segura de acertá-lo - ao contrário de muito da fase que os precedem.

Para contrabalancear a curta duração do título, foram colocados 3 modos de jogo e achievements in-game que dependem de completar missões e sub-missões por vezes dependentes destes. Libera-se assim artes conceituais, vídeos e files, explicando sobre a história dos personagens e suas motivações, além de um pouco do mundo, que não são abrangidos no modo história. A cereja do bolo é a trilha sonora, que apesar de ter seus vocais apenas em japonês, é repleta de músicas com batidas viciantes (umas escritas pelo próprio Suda) ou ritmos relaxantes, até mesmo no menu principal.



Liberation Maiden cumpre seu papel como parte de um todo e nunca se expande mais que isso - você terá terminado o título antes mesmo de encontrar algo que exclame que Goichi Suda teve um dedo no projeto, ainda que marcas como a bizarra premissa de enredo o condene. Isso significa nada de cabeças decepadas, cachoeiras de sangue ou o humor incomum deste. Aquela cena de abertura, então, é um espelho do jogo - diverte e tem potencial, mas poderia ser melhor aproveitado.


-- Resumo --

+ Trilha Sonora
+ Batalhas contra chefes
+ Animações da BONES

- Duração
- Pouca variedade nas missões




7,5


comentários
Nenhum comentário encontrado.

Apenas usuários cadastrados podem comentar.

Se deseja realizar seu cadastro, clique aqui.

Login de usuário


Lembrar?

análises recentes
Shut the Box
wiiu    5
Master Reboot
wiiu    4
Mario Kart 8
wiiu    57
Shovel Knight
wiiu    6
Bravely Default
3ds    10
Child of Light
wiiu    13
Cube Tactics
3ds    4