Carregando
artigo 
Iwata Asks: Nintendo 3DS XL - Parte 2: Como Montar um Quebra-Cabeça
escrito por Pedro Henrique Lutti Lippe


Como Montar um Quebra-Cabeça

Iwata:
Na primeira vez que vi o Nintendo 3DS XL, percebi como a tela ocupa uma grande área da face do portátil. Quero dizer, as "bordas" da tela são incrivelmente pequenas em comparação com as de hardwares anteriores da Nintendo.



Murakami: Isso, também, é bem diferente do que era em hardwares anteriores.

Iwata: Claro, em termos de outros gêneros de aparelhos eletrônicos, muitos produtos tem bordas ainda menores, mas para sistemas de acordo com os padrões e condições da Nintendo, eu fiquei impressionado com o tamanho delas. Hoje, eu quero que vocês me digam como fizeram isso.

Koshiishi: Os alto-falantes provavelmente foram o motivo.

Fujita: Sim. O tamanho dos alto-falantes influencia o design, e o primeiro modelo do desenho que veio para o nosso time já estava de um jeito que nem mesmo o alto-falante do Nintendo 3DS caberia. (risos)



Todos: (risos)

Fujita: Nosso desejo era chegar o mais perto possível do que tínhamos em mente, então nós procuramos por alto-falantes pequenos, e consideramos movê-los para a parte de baixo. Nós modificamos o DSi XL e colocamos os alto-falantes ao lado dos botões, e checamos como ele soava escutando a música tema de abertura de Dragon Quest.

Iwata: Mas se os alto-falantes ficam menores ou o som vem de outra parte que não a tela, seu efeito pode acabar cortado pela metade.

Fujita: Sim, músicas são uma parte importante dos jogos, então fizemos com que várias empresas que criam alto-falantes nos mostrasse diferentes tecnologias e ouvimos falar de um modelo mais magro e comprido.

Iwata: Ah, ao invés de modelos arredondados.

Fujita: Certo. Quando nós ouvimos falar dele, eles ainda não era práticos, mas eles já conseguiam reproduzir sons, então achamos que eles poderiam funcionar. Então nós fizemos muitas pesquisas junto com a manufaturadora e conseguimos criar os alto-falantes que usamos no produto final.

Iwata: Vocês fizeram alto-falantes de tamanho personalizado para caber em um breve espaço. Como eles soam?

Fujita: Em termos de características acústicas, eles não são exatamente idênticos aos do Nintendo 3DS. O tamanho do alto-falante é menor do que os do 3DS então sonoramente ele tinha uma desvantagem. Mas otimizando a estrutura e as capacidades do próprio alto-falante, e então otimizando o som com o software, tentamos fazer com que eles soassem o mais perto possível de como soam os do 3DS.

Iwata: Entendo. Vocês se esforçaram muito nisso.

Fujita: Não é algo que as pessoas podem ver, mas fizemos muito.

Iwata: Se vocês não tivessem trabalhado nas áreas que cercam os alto-falantes também, vocês não teriam sido capazes de fazer tudo isso, então todos concentraram-se e deram o seu melhor.

Miyatake: Além do que já dissemos sobre a borda, nós também criamos o Nintendo 3DS tendo como cor base o preto para acentuar o efeito 3D estereoscópio. Mas desta vez a tela tem um tamanho grande o suficiente para deixar o jogador focado sozinha, então pudemos utilizar cores diferentes.



Iwata: Se você está concentrando-se, uma tela deste tamanho é o suficiente, mesmo sem depender da correlação visual com a borda.

Murakami: É. A respeito de fazer o sistema inteiro magro, a resina é muito importante. Com uma resina plástica convencional, ele sempre fica grosso, mas desta vez usamos uma resina magra que é dura e dá boa proteção.

Iwata: Uma resina dura é mais difícil de modelar?

Murakami: Sim, e é difícil remover a sua cor original.

Iwata: Sério?

Miyatake: Quando você abre o Nintendo 3DS, para o material da superfície da tela superior, estamos usando uma nova resina chamada nylon GF55.

Iwata: GF significa glass fiber [fibra de vidro], certo?

Murakami: Sim. É um plástico reforçado por fibra de vidro.

Iwata: Então o nome GF55 indica que ele é 55% fibra de vidro?

Miyatake: Certíssimo. Normalmente, você remove a cor original da resina e depois a pinta com as cores desejadas, mas com resina de fibra de vidro, a cor original não sai muito bem.

Iwata: Com 55% fibra de vidro, a usinagem e a decoração também não tornam-se processos difíceis?

Miyatake: Sim, ficam. Então os processos normais não funcionam! (risos) Você dá um spray de tinta para servir como uma boa cor básica, e depois dá uma segunda mão para decoração.

Iwata: Hm, eu não sabia disso.

Murakami: Isso significa que a pintura dá um certo trabalho, mas sem esse material, não teríamos sido capazes de equilibrar a questão do portátil ser magro, mas forte ao mesmo tempo. E quando o assunto foi a dobradiça...

Fujita: É. As partes mais finas têm menos de um milímetro.

Murakami: E tivemos que repensar completamente aspectos como clearance enquanto montávamos os vários elementos, realizando simulações incrivelmente detalhadas de análise de tolerância.

Iwata: As terminologias mais difíceis da história estão aparecendo aqui no Iwata Asks de hoje! (risos)



Todos: (risos)

Iwata: Primeiro, clearance basicamente significa espaço - nesse caso, o espaço para as peças se movimentarem. Clearance significa que há espaço suficiente para que essa parte e aquela parte não toquem-se. Estou certo?

Murakami: Sim, está certo.

Iwata: E tolerância, já que é praticamente impossível na hora da produção em massa fazer tudo exatamente do mesmo tamanho como nos designs, é um valor que vocês decidem, dizendo, "Desse jeito é aceitável." Quando unindo diversas partes, essa diferença pode ter um efeito no produto inteiro, então a análise de tolerância calcula tudo isso antes do tempo para garantir que nada de errado aconteça.

Murakami: É isso. Obrigado pela ajuda! (risos)

Iwata: Se cada peça tem tolerância, então toda pequena diferença pode acabar acumulando e criando grandes problemas.

Todos: (concordando e acenando com a cabeça)

Murakami: Nós conversamos por horas, dizendo coisas como "Podemos fazer isso 0,1 milímetro menor?" (risos)

Iwata: Por horas?

Koshiishi: Muito. Suponha que haja uma clearance de 0,3 milímetro, e você tira 0,1 dali e 0,1 de lá, isso acaba em 0,5, e nós diríamos, "Nós podemos ser capazes de passar um FPC por ali."

Iwata: Eu ouvi falar sobre FPCs (circuitos impressos flexíveis) quando conversávamos sobre o Nintendo 3DS também. É um fino cabo que conecta vários circuitos impressos.

Murakami: É isso. (apontando para um modelo transparente)



Iwata: Por exemplo, para conectar as partes superior e inferior pela dobradiça, há um FPC passando por ali. Estou correto em dizer que há três FPCs aqui?

Koshiishi: Sim, são três.



Iwata: Você diz isso como se não fosse grande coisa, mas isso não é nada fácil de fazer! (risos) Aparelhos assim são realmente montados como quebra-cabeças, com os mais precisos cálculos.

Continua...


comentários
Nenhum comentário encontrado.

Apenas usuários cadastrados podem comentar.

Se deseja realizar seu cadastro, clique aqui.

Login de usuário


Lembrar?

artigos recentes
E3 2014 Index: 3DS
POR Equipe Wii U Brasil    6
E3 2014 Index: Wii U
POR Equipe Wii U Brasil    28
E3 2014 Index
POR Equipe Wii U Brasil    15
Expectativas para o Nintendo Digital Event
POR Equipe Wii U Brasil    17
Interview - Shin'en Multimedia
POR Wii U Brasil    3
Os mais esperados de 2014 - Wii U
POR Equipe Wii U Brasil    31
Os mais esperados de 2014 - 3DS
POR Equipe Wii U Brasil    27
Melhores de 2013 (Wii U)
POR Equipe Wii U Brasil    36
Melhores de 2013 (3DS)
POR Equipe Wii U Brasil    31
E3 2013 - Como a Nintendo se saiu?
POR Thales Nunes Moreira    49
"O Cidadão Kane dos Videogames" Não Existe
POR Pedro Henrique Lutti Lippe    20
E3 2013 Index: Nintendo 3DS
POR Equipe Wii U Brasil    8
E3 2013 Index: Wii U
POR Equipe Wii U Brasil    15
E3 2013 Index
POR Equipe Wii U Brasil    3
O eShop do 3DS
POR Gustavo Vitor Barbosa Bomfim    11